Hassad (a inveja)

11-04-2009 17:16

Hassad ou inveja, é uma doença espiritual extremamente perigosa e foi referenciada pelo Profeta Muhammad (que a Paz e as Bençãos de Deus estejam com ele).

Hassan (que Allah esteja satisfeito com ele) narra que Profeta de Allah (que a Paz e as Bençãos de Deus estejam com ele) afirmou: “Ódio e inveja devoram as boas acções assim como o fogo devora a lenha”. Num Hadice semelhante mencionado no Abu Dawud e narrado por Abu Hurairah (que Allah esteja satisfeito com ele), consta que o Profeta (que a Paz e as Bençãos de Deus estejam com ele) afirmou: “Cuida-te da inveja, pois a inveja devora as boas acções assim como o fogo devora a lenha ou capim seco”.

 

O mal causado pela inveja

 

Nas acções consideradas externas, ALLAH tornou algumas delas obrigatórias e outras proibidas. O mesmo acontece nas acções consideradas internas. A abstenção das acções internas, que são proibidas, é tão importante assim como é a abstenção dos pecados maiores (Kabira) externos.

Existem dois tipos de fogo: o primeiro é intenso, devora e queima tudo em poucos instantes; o outro é como uma fogueira baixa, que vai queimando devagarinho e chega ao ponto de devorar tudo lentamente. À semelhança, a inveja é como o fogo que arde lentamente e acaba por devorar todas as boas acções que a pessoa pratica. Esta é a razão pela qual Profeta de Allah (que a Paz e as Bençãos de Deus estejam com ele) advertiu-nos para que nos abstivessemos dela.

 

Apesar da magnitude deste pecado, se olharmos ao nosso redor, veremos que esta doença abrange quase toda a camada social, sendo poucos os que se encontram protegidos e limpos dela.

No entanto, nunca ocorreu que nós próprios podemos estar infectados por esta doença. Por isso, é extremamente importante que tomemos todas as precauções necessárias, afim de nos sentirmos protegidos da mesma.

Abu Hurairah (que Allah esteja satisfeito com ele) narra que Profeta de Allah (que a Paz e as Bençãos de Deus estejam com ele) afirmou: “Não tenhais ódio um para com o outro, não invejais uns aos outros, não participai em leilões apenas com o intuito de elevar o preço e, ó servos de ALLAH, tornai irmãos uns dos outros”.

 

Chama-se inveja à atitude da pessoa que, quando vê alguém a receber um determinado Ne’mat (dádiva) por parte de ALLAH, quer seja mundano ou religioso, sente-se inquieto, incomodado ou descontente por ALLAH ter-lhe favorecido, desejando no íntimo que essa dádiva seja retirada dele.

Por exemplo, se ALLAH favorece alguém com a riqueza, saúde, honra, sabedoria, etc., a pessoa começa a pensar: porque razão ele recebeu este Ne’mat? Seria bom se ele não o recebesse ou se eu recebesse em vez dele! Se alguém começa a prosperar na vida, então a pessoa começa a sentir-se triste por isso.

 

Tendo em conta que esta é a realidade da inveja, podemos deduzir que, na realidade, o invejoso está a levantar uma objecção perante ALLAH, questionando-O por ter favorecido a uma determinada pessoa. Ele está a levantar uma objecção contra o seu Benfeitor, contra a decisão do Todo-Poderoso. Esta a razão pela gravidade e magnitude da inveja. No entanto, é importante compreendermos que muitas vezes podemos desejar o mesmo Ne’mat que uma outra pessoa possua, sem contudo desejarmos algo negativo para ela. Isso não se define como inveja e não tem mal algum, sendo perfeitamente permissível. Em árabe, isso é conhecido por Ghibtah e, por vezes, também se utiliza a palavra Hassad para o mesmo.

 

Por exemplo, uma pessoa possui uma casa bonita e espaçosa e alguém cria o desejo de obter uma casa semelhante. Isso é permissível e não há qualquer pecado, desde que não deseje que o dono da casa se torne privado da mesma ou que seja arruinado.

 

A origem da inveja

 

A inveja esteve na origem do primeiro pecado a ser cometido tanto no Céu como sobre a face da Terra.

Quando ALLAH ordenou para que o Shaitán se prostrasse perante Ádam (AS), ele recusou-se pois achava que era superior a Ádam (AS) e invejou o facto de ALLAH ter-lhe subjugado, uma vez que ele era feito de fogo e o outro de terra.

Também foi a inveja que estava por detrás do primeiro pecado cometido sobre a face da Terra, quando o filho de Ádam (AS), Kábil, matou o seu irmão Hábil. O resultado directo da inveja é o que em árabe se denomina por Shamátat e que é condenado no Al-Qur’án e nos Hadices. Shamátat quer dizer sentir-se triste e inquietado pelo sucesso do próximo ou satisfeito e alegre pelo sofrimento e prejuízo de outrém.

Existem duas causas que estão na origem desta doença espiritual:

  1. Amor pela riqueza e desejo do poder e da fama – Como faz parte da natureza do ser humano desejar alteza, o Homem sempre deseja sobressair e estar acima dos seus semelhantes; daí que quando uma outra pessoa conquista lugares distintos, ele faz de tudo para derrubá-la.
  2. Ódio e rancor dentro do coração – Se a pessoa criar ódio e rancor por alguém, ela sentir-se-á inquieta pelo bem estar daquele e insatisfeita pela satisfação e sucesso do mesmo.

 

Quando a pessoa possui uma destas condições, obviamente que isso a levará à inveja. Esta é uma doença destrutiva tanto no aspecto mundano, retirando-lhe o sossego e a tranquilidade, assim como no lado religioso, destruindo-lhe todas as suas boas acções, tal como foi referido anteriormente. Um poeta árabe deu um exemplo bem claro acerca do carácter destrutivo da inveja. Ele diz que a inveja é semelhante ao fogo, cuja característica é devorar tudo quanto pode à sua volta. Por exemplo, enquanto a lenha arde, o fogo continuará devorando-a, mas quando ela acaba e ficam somente cinzas, uma pequena porção do fogo começa a devorar a sua outra parte, até que ele próprio se extingue.

Da mesma forma, quando alguém “arde” de inveja, no início fará de tudo para prejudicar o invejado. Mas quando se vê impossibilitado ou incapaz de prejudicá-lo, então acaba por destruir-se a si mesmo, “queimando-se” com a própria inveja.

 

Como se livrar da inveja

 

Assim como existe cura para as doenças físicas, também existe para as doenças espirituais. A inveja cura-se meditando de que, se ALLAH concedeu a alguém uma dádiva qualquer e isso causa em mim uma insatisfação ou inquietação, então ALLAH também concedeu-me tantas outras dádivas ou favores que pode não ter concedido àquela mesma pessoa.

É muito provável que ALLAH tenha concedido uma saúde melhor do que a dele, ou uma beleza ou sabedoria melhor, etc. Devemos ter sempre a convicção de que no favorecimento de ALLAH existe sempre uma razão e Hikmat (prudência) válidos que o ser humano é incapaz de compreender.

 

Meditando nestes e noutros exemplos, Inshá-Allah, seremos capazes de minimizar consideravelmente, ou mesmo, extinguir na totalidade este fogo chamado inveja. Além disso, é importante saber que este mal é resultado da nossa atitude errada de olharmos para os outros e para aquilo que eles possuem, em vez de olharmos para nós próprios. Possuímos ainda o mau hábito de querermos investigar a vida das pessoas, procurar saber quanta riqueza possui este, qual é a proveniência do dinheiro daquele, que tipo de casa está a construir, etc. É claro que, se nos deixarmos levar por este tipo de investigação, deparar-nos-emos com factos atraentes e belos, que infelizmente não possuimos. Se a partir daí não surgir a inveja dentro de nós, que mais poderemos esperar?

 

Por isso, devemos sempre recordar o famoso dito do Profeta Muhammad (que a Paz e as Bençãos de Deus estejam com ele): “Em questões mundanas, observe sempre aqueles que são inferiores a si; e em questões religiosas, observe sempre aqueles que são superiores si”.

Que ALLAH nos proteja da inveja e purifique os nossos corações do ódio e rancor, criando laços de irmandade entre o Ummat do Profeta (que a Paz e as Bençãos de Deus estejam com ele). Amin.

 

—————

Voltar